Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

omeuoutroblog

omeuoutroblog

Thriller

Desde criança que a assustava ficar sozinha e fazia tudo para o evitar. Mesmo cansada, arrastava-se atrás dos pais ou dos irmãos, pedinchava que a levassem, e por ser a rapa-do-tacho, com uma grande diferença para os dois irmãos mais velhos, normalmente conseguia-o. Na adolescência colara-se às amigas. Combinava encontros para as horas de entrada e saída e conseguia fazer apenas parte do caminho para a escola e no regresso, sozinha. Com o primeiro namorado sentira-se no céu. O Zé estava sempre pronto a acompanhá-la. Naquilo em que muitas veriam quase uma obsessão, um cerco, fruto de um ciúme sem qualquer motivo, ela lia afecto e consideração. E um belo dia casaram. Na verdade, não se lembrava já bem do dia. Via pelas fotografias que tinha estado sol. Na noite anterior pouco dormira e estava tão nervosa que passou a cerimónia e a festa meio enjoada e entorpecida pelo calmante que lhe deram e não estava habituada a tomar. Foram viver para um apartamento num prédio novo, perto do emprego do Zé. Pouco e pouco começou a ceder em que tudo o que ele lhe exigia. Afastou-se dos amigos e da família. Deixou o seu trabalho na loja do shopping. Ocupava-se em manter a casa limpa, em cozinhar e esperar o marido, que vinha sempre esgotado do trabalho. Não gostava que no prédio em que moravam não tivessem ainda vizinhos, nem de ficar sozinha em casa. Ligava a televisão para que o silêncio não pesasse. De vez em quando saía para fazer compras, sempre ciente que o Zé não gostava que saísse sozinha, mas às vezes era mesmo preciso porque lhe acabara o sal, ou queria ir comprar peixe ou fruta fresca. Tentava resguardar-se nas roupas porque sabia que o Zé não gostava de decotes ou mini-saias. Um dia, numa dessas curtas saídas, sentiu que alguém a observava. Acelerou o passo, mas a impressão mantinha-se. A partir daí, continuou a senti-lo, como uma pressão, perto, de alguém que lhe queria mal. Não podia contar ao Zé porque se lhe falasse das saídas, iria zangar-se com ela e ainda a proibia de sair. Pouco tempo depois, tinha acabado de comprar pão, pareceu-lhe mesmo ver o vulto de um homem, a esconder-se atrás do prédio ao lado. Desistiu das outras compras e decidiu regressar a casa. Eram quatro da tarde. O Zé só regressaria pelas 19.00. Apressou o passo e ouviu o ruído de outros passos que também se apressavam. Começou então a correr. Deixou cair o pão. Entrou no seu prédio, galgou os degraus da escada, abriu a porta e fechou-a atrás de si. O coração batia-lhe descompassado no peito e respirava afogueada. Já não ouvia mais nada. Pensou, “que parva, às tantas não era nada”, mas não estava bem convencida de que assim fosse. Foi até à cozinha para buscar um copo de água e foi então que ouviu a porta da rua a abrir-se.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Favoritos

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub